Plantão
Polícia

Através da Delegacia de "Ji-Paraná" Polícia Federal deflagra operação internacional

Publicado dia 18/07/2018 às 20h06min
A operação também possui Cooperação Jurídica das Bahamas e dos EUA, contando com o apoio da ICE – U.S. Immigration and Customs Enforcement.

Ji-Paraná/RO e Brasília/DF - A Polícia Federal, por intermédio da Delegacia de Polícia Federal em Ji-Paraná/RO e apoio da Corregedoria-Geral da Polícia Federal, Divisão de Direitos Humanos da Polícia Federal e Interpol, deflagrou hoje (18/07/2018) a 3ª Fase da Operação Piratas do Caribe.
Esta fase possui as finalidades principais de: 1) desarticular o ramo internacional de organização criminosa de “coiotes” responsáveis por promover a entrada ilegal de brasileiros nos Estados Unidos; 2) buscar mais elementos a respeito do desaparecimento de 12 brasileiros em novembro de 2016 quando tentavam a travessia Bahamas/EUA via oceano; 3) sequestrar bens desses “coiotes” para ressarcir o dano causado às famílias das vítimas; 4) prender um dos maiores responsáveis pelo envio ilegal de crianças e adolescentes aos Estados Unidos na prática do esquema criminoso denominado “Cai Cai”, ou seja, que promove o ingresso de adultos ilegalmente nos Estados Unidos acompanhados de crianças ou adolescentes, para que assim esses adultos não sejam imediatamente deportados, mas que, com a política de “tolerância zero” da imigração norte-americana, implicou na separação de pais e filhos.
Estima-se que a organização criminosa ora atingida movimentou nos últimos anos mais de 25 milhões de reais e envia por ano uma média de 150 adultos e 30 crianças e/ou adolescentes para tentar o ingresso ilegal nos EUA. No curso da investigação, foi ainda constatado que diversos brasileiros transportados pelo grupo acabaram morrendo enquanto tentavam a travessia, inclusive com suspeita de homicídios.
São realizadas 02 prisões e 03 buscas no Brasil e no exterior.
A operação também possui Cooperação Jurídica das Bahamas e dos Estados Unidos, contando com o apoio da ICE – U.S. Immigration and Customs Enforcement.

Entenda a Operação Piratas do Caribe
As investigações começaram a partir da notícia do desaparecimento de um brasileiro que teria tentado entrar ilegalmente nos Estados Unidos com auxílio de “coiotes”, que cobravam quantias de, em média, R$ 60.000,00 para intermediar o transporte ilegal via Bahamas.
Antes de sair do Brasil, os imigrantes ficavam em algumas cidades com aeroportos internacionais de fácil acesso, aguardando a ordem de embarque para as Bahamas, que ocorria quando um determinado agente de imigração daquele país facilitava a entrada dos brasileiros. Uma vez nas Bahamas, os imigrantes aguardavam por vários dias para tentar fazer a travessia de barco e assim ingressarem clandestinamente nos Estados Unidos.
Além de todos os conhecidos riscos que envolvem a imigração ilegal para outros países, os “coiotes” escondiam os reais perigos envolvidos na travessia como a passagem pela região do Triângulo da Bermudas, famosa pelo alto índice de tempestades, naufrágios e desaparecimento de embarcações e aeronaves.
Esta terceira fase da Operação Piratas do Caribe apresenta ainda duas novidades: é uma operação atualmente conduzida experimentalmente no ambiente de Inquérito Policial eletrônico (Sistema ePol), e é uma das primeiras envolvendo a prática do crime previsto no art. 232-A/CP (promoção da migração ilegal), que entrou em vigência final de 2017.

Fonte: Polícia Federal