Plantão
Ji-Paraná

Mudanças na umidade do ar podem afetar moradores de Ji-Paraná, diz médico

Publicado dia 13/09/2017 às 11h42min
Mudanças devem influenciar em casos de doenças respiratórias e virais. Segundo o Inmet, a umidade máxima pode atingir 95% nesta quarta (13).

Com a aproximação da chegada do inverno amazônico, período chuvoso entre outubro e abril na Região Norte, o nível da umidade relativa do ar começa a se elevar. Nesta quarta-feira (13), a umidade máxima pode chegar a 95% em Ji-Paraná (RO), na Região Central, segundo o Instituto Nacional de Metrologia (Inmet) e segundo um médico especialista, estas variações de umidade podem afetar a saúde dos moradores.

Segundo o médico clínico geral Bruno Menezes, a mudança brusca na umidade pode afetar a saúde da população, tanto positivamente, quanto negativamente.

De acordo com o médico, casos de doenças, que podem ser agravadas pelo baixo índice da umidade relativa do ar, devem diminuir durante o período chuvoso.

“O aumento da umidade pode diminuir casos de doenças respiratórias alérgicas, como é o caso de asma e bronquite, pois o nível de poluição e queimadas começa a diminuir nesta época”, explica Bruno.

O período chuvoso também trazer prejuízos a saúde das pessoas. De acordo com o médico, idosos e crianças são os mais suscetíveis a sofrerem durante esta época do ano.

“Ocorrências de doenças virais, como dengue e chikungunya, podem aumentar, pois com a chuva o número de aedes aegypti, que são vetores que causam essas doenças, também aumenta. Além dos casos de gripes e resfriados que também sobem nessa época”, comenta Bruno.

De acordo com a direção do Hospital Municipal Claudionor Roriz, em 2016 o atendimento na unidade subiu cerca de 30% durante o período chuvoso. Idosos e crianças foram a maior parte dos pacientes atendidos, geralmente apresentando casos de gripes e resfriados.

Tempo seco pode agravar doenças respiratórias, como asma e bronquite (Foto: Aleandro Yuko/Rede Amazônica)

Fonte: Por G1 Ji-Paraná e Região Central