Plantão
geral

Saiba quem precisa ser vacinado contra o sarampo

Publicado dia 19/07/2018 às 21h06min
A procura pela vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) e pólio tem causado inúmeras filas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Porto Velho.

O sarampo é uma doença infecciosa e muito contagiosa, que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade, mas pode ser mais perigosa para as crianças, inclusive podendo levar à morte. O sarampo é transmitido da pessoa doente ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Além disso, a doença não tem tratamento, e só pode ser evitada por meio da vacinação. Em Porto Velho, há vacina em todos os postos de vacinação.
Conforme a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, explica quem deve tomar a vacina contra o sarampo. “O calendário de vacinação, hoje, recomendada para as crianças uma dose ou doze meses, a segunda dose aos 15 meses, a população até 29 anos deve também, se ela não foi vacinada na infância, ter duas doses. E entre 30 a 49 anos uma dose. Se o adulto já tomou as doses recomendadas pelo calendário Nacional de vacinação não há necessidade de uma revacinação na fase adulta, a dose feita na criança vale para toda a vida”.
A procura pela vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) e pólio tem causado inúmeras filas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Porto Velho. Por conta dessa situação, as UBS com maior demanda adotaram o sistema de distribuição de senhas para melhor atender a população. A Semusa pediu para que os pais tenham paciência para não provocar tumulto nas filas nos horários de maior de demanda.
O foco da campanha são crianças de 1 ano a menores de 5 anos, que estão fazendo o reforço da terceira dose. A campanha de multivacinação é específica para este público devido a baixa cobertura vacinal em todo o país nos últimos anos.
“Notamos que nas filas há, principalmente, pais de crianças de 5 a 12 anos. Essa faixa etária não faz parte da campanha. Se essas crianças estiverem com o cartão em dia (com as duas doses), não há necessidade do reforço”, esclareceu a gerente. “Não é preciso causar tumulto, tem vacina para todos”, ressaltou Elizeth Gomes, gerente de imunização da Semusa.
A Semusa recebeu do Ministério da Saúde 30 mil doses de tríplice viral e 30 mil de pólio para serem utilizadas nesta campanha. Pelo menos 18 mil foram aplicadas em apenas uma semana.
A gerente explicou que crianças acima de cinco anos e adultos já fazem parte da rotina de imunização. Só tomam a vacina se nunca foram imunizados ou não tenham comprovante.
Por isso, segundo ela, é importante o cartão de vacina e/ou cartão do SUS. No atendimento aos adultos o técnico tem que verificar no sistema se a pessoa já foi imunizado, o que demanda mais tempo.

 

Fonte: Da Redação