Plantão
geral

Jaguatirica é encontrada morta após ser atropelada na BR-364

Publicado dia 21/11/2017 às 18h07min
O acidente aconteceu possivelmente na madrugada do último sábado (18).

Uma jaguatirica adulta foi encontrada morta com sinais de atropelamento na BR-364, no trecho em que liga Vilhena (RO) a Pimenta Bueno (RO). Um apicultor estava a caminho do trabalho, no final de semana, quando avistou o animal no acostamento da pista, já em estado de óbito. Nesta segunda-feira (20), a reportagem foi ao local e o corpo do felino ainda não tinha sido retirado.

“Pensei que havia a possibilidade de só estar machucado, parei e ainda olhei. Mas infelizmente, já devia estar morta há algumas horas. A gente fica indignado, porque o mamífero é uma imagem da Amazônia”, disse o apicultor Vicente Moreira.

O acidente aconteceu possivelmente na madrugada do último sábado (18). A passagem onde a jaguatirica foi atropelada fica no lado da pista onde é descida para carretas e outros veículos que trafegam pela rodovia.

Além da alta circulação de automóveis e em alta velocidade, a última placa de sinalização que pede para que os motoristas desacelerem devido à presença de animais silvestres, foi encontrada há cerca 30 quilômetros do local.

 

 

Procurado, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) informou que será enviado, ainda nesta semana, um ofício solicitando uma parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) e com a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam). A intenção é saber quais pontos, exatamente, acontece a travessia dos animais, para a instalação de placas.

 

Outro ponto questionado foi sobre a ausência de galerias para a passagem segura dos bichos, e o órgão repassou que ainda não há previsão para a construção.

Espécie

De acordo com o biólogo Flávio Terassini, o mamífero atropelado na BR-364 se trata de uma jaguatirica, e é muito comum no continente americano. Como tem hábito noturno, elas preferem caçar à noite, pois é menos quente.

 

“Ela pode ter sido atropelada ao tentar atravessar a rodovia para procurar carne. O motorista vem em uma velocidade muito rápida e quando avista o animal, fica muito difícil de desviar. É complicado prever quando o animal vai fazer a passagem”, disse.

Crime ambiental

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), atropelar um animal silvestre só configura delito se houver provas e testemunhas de que o motorista conduziu o veículo a fim de matá-lo. Se confirmado, o indivíduo é multado e deve responder por crime de caça.

Quanto à prestação de socorro, é obrigatório, mas depende muito da circunstância do acidente. Se o motorista não tiver condições de levar o animal no automóvel devido falta de espaço, por exemplo, ou se apresentar risco a segurança da pessoa, provavelmente não será penalizado. No entanto, é importante avisar o Ibama para o órgão possa realizar o resgate.

A PRF declarou ainda que não há um levantamento sobre o índice de acidentes envolvendo animais na BR-364, no perímetro de Vilhena. Apontou apenas que os bichos que mais são encontrados mortos é a capivara, tatu e porco do mato.

A retirada do corpo da jaguatirica deve acontecer ainda nesta segunda-feira (20), pela PRF ou pelo Ibama.

 

 

Fonte: Por G1 /RO