Empresas de coletivos não se interessam em atuar em Ji-Paraná

Empresas de coletivos não se interessam em atuar em Ji-Paraná
Empresas de coletivos não se interessam em atuar em Ji-Paraná

 

Onde deseja efetuar a busca?

Diário da AmazôniaRedeTV RondôniaRádio AlvoradaPlantão de PolíciaTodas as casasBuscar

Empresas de coletivos não se interessam em atuar em Ji-Paraná

Empresas acham que o valor apresentado na proposta não está compativel com os preços médios do mercado

Publicado:  30/09/2021 às  14h51

  •  
  •  
  •  
  •  

|

A-A+

Se preferir, ouça a versão em áudio

 

00:00/01:42

Na primeira tentativa, nenhuma empresa de Rondônia ou de outro Estado se interessou em participar do processo de licitação para contratação do serviço de transporte coletivo neste município. A informação foi obtida na última semana pela reportagem do Diário da Amazônia e confirmada pelo presidente da Autarquia Municipal de Trânsito (AMT), Oribe Júnior, nesta quinta-feira, 30.

No último mês, na Autarquia Municipal de Trânsito (AMT), foi aberto processo com objetivo de contratar uma nova empresa na exploração do transporte coletivo, neste município. A primeira etapa foi o contato com empresários do ramo para saber o interesse dos mesmos em participar da licitação, mas, todos teriam recusado em decorrência do valor da tarifa apresentado ter sido inferior ao praticado no mercado, atualmente. “Não temo como trabalhar nessa área do transporte de pessoas com ônibus, quando se confronta com uma concorrência desleal. Aí, fica impossível investir”, declarou o representante de uma empresa da região que preferiu não se identificar.

Por telefone, o presidente da Autarquia Municipal de Trânsito, Oribe Júnior confirmou a informação do desinteresse das empresas. Ele também disse que o assunto já é de conhecimento do prefeito, Isaú Raimundo da Fonseca, e que o chefe do Poder Executivo determinou que seja encontrada uma solução definitiva para esse problema. “Estamos nos reunindo, debatendo e discutindo um meio de resolver essa questão o quanto antes”, concluiu Oribe Júnior.

Por J. NogueiraDIÁRIO DA AMAZÔNIA