'Dama de vermelho': polícia e Exército fazem buscas em loja suspeita de fornecer armas usadas em ensaio de casamento, no DF

'Dama de vermelho': polícia e Exército fazem buscas em loja suspeita de fornecer armas usadas em ensaio de casamento, no DF
'Dama de vermelho': polícia e Exército fazem buscas em loja suspeita de fornecer armas usadas em ensaio de casamento, no DF

Exército Brasileiro e Polícia Civil na Loja do Pescador, em Taguatinga, no DF — Foto: PCDF/Divulgação

Investigadores apreenderam quatro armas de fogo durante ação. Caso ocorreu em fevereiro, em Taguatinga, quando grupo parou trânsito para que noiva fosse fotografada.

A Polícia Civil do Distrito Federal, com apoio do Exército Brasileiro, cumpriram mandados de busca e apreensão para investigar o caso em que homens armados pararam o trânsito, em Taguatinga, durante um ensaio de casamento. A ação ocorreu nesta terça-feira (15) e resultou na apreensão de quatro armas de fogo.

O caso ocorreu em fevereiro, quando a mulher e um grupo de homens armados pararam o tráfego de carros e ônibus por alguns minutos. A intervenção foi feita sem qualquer autorização e, com os vídeos do momento divulgados em redes sociais, virou uma investigação policial.

A operação foi batizada de "Dama de Vermelho", em referência à cor do vestido usado pela noiva. De acordo com a Polícia Civil, os agentes cumpriram mandados de busca e apreensão na Loja do Pescador Militar, em Taguatinga, suspeita de fornecer as armas usadas no ensaio, e em "outros endereços" vinculados à investigação.

g1 tenta contato com o estabelecimento e aguarda resposta do Exército Brasileiro. Ainda segundo a investigação, as corporações a fiscalizaram a venda de armas e munições realizadas pela loja e aplicaram "as medidas administrativas cabíveis".

Armas apreendidas pela Polícia Civil na Loja do Pescador, em Taguatinga, no DF — Foto: PCDF/Divulgação

Armas apreendidas pela Polícia Civil na Loja do Pescador, em Taguatinga, no DF — Foto: PCDF/Divulgação

Além disso, os policiais informaram que, desde o início das investigações, 12 armas de fogo foram apreendidas e passam por perícia. "As investigações prosseguem", informou a Polícia Civil.

Ensaio de casamento

Casal faz fotos em estande de tiros no DF — Foto: Reprodução/Instagram

Casal faz fotos em estande de tiros no DF — Foto: Reprodução/Instagram

A noiva que aparece nas imagens foi identificada como Dilma Lane Coutinho de Castro Barbosa. Ela chegou a postar, nas redes sociais, imagens feitas no mesmo dia do vídeo, nas quais aparecia com o noivo em um estande de tiro.

Após a repercussão do caso, ela excluiu perfis em redes sociais e não respondeu às tentativas de contato da reportagem. Amigos do casal disseram à TV Globo que tanto Dilma quanto o noivo são Caçadores, Atiradores e Colecionadores (CACs), e que os demais homens que aparecem na filmagem são da mesma categoria.

Segundo os amigos do casal, o fotógrafo que fazia o ensaio teve a ideia de fazer a intervenção na via. No entanto, não havia qualquer autorização nesse sentido. O Departamento de Trânsito (Detran-DF) disse que a Diretoria de Engenharia não permitiu interdição no local.

O delegado à frente do caso, Mauro Aguiar, da 17ª Delegacia de Polícia, de Taguatinga Norte, informou que a noiva prestou depoimento assim que voltou da lua de mel. "Ela disse que fez uma brincadeira, uma encenação que fazia parte do sonho dela", disse o investigador.

Proibição

Andar armado na rua, ou ostentar armas de fogo, é proibido no Brasil. Por lei, só podem portar armamentos as pessoas que têm autorização para isso, como profissionais de segurança pública, agentes de inteligência, auditores fiscais e também os caçadores, colecionadores e atiradores (CACs), que precisam de autorização do Exército.

Quem está fora desses grupos e sai armado, ou ostenta armamento, comete crime de porte ilegal de arma de fogo, com pena de 2 a 4 anos de reclusão, além de multa. O crime é inafiançável caso a arma não esteja registrada no nome de quem a usa.

A posse de arma consiste em manter, no interior de residência (ou dependência desta), ou no local de trabalho, a arma de fogo. O porte, por sua vez, garante ao cidadão trazer a arma consigo, mesmo fora do ambiente residencial ou comercial, ou seja, ele pode andar com a arma na rua.

 

Por Sthefanny Loredo, Viníssius Cassela e Walder Galvão, TV Globo e g1 DF