Confronto entre manifestantes e polícia durante protesto em Londres

Confronto entre manifestantes e polícia durante protesto em Londres
Confronto entre manifestantes e polícia durante protesto em Londres

Além de Londres, há manifestações antirracistas em todo o mundo

Manifestantes entraram em confronto com a polícia britânica, neste sábado (13), em uma região perto do Parlamento de Londres, na sequência dos contínuos protestos antirracistas no Reino Unido pela morte de George Floyd, no final do mês passado, nos Estados Unidos.

Alguns manifestantes jogaram garrafas e empurraram os policiais perto da ponte Westminster. Havia tensão entre os dois lados na Trafalgar Square, no centro de Londres, no segundo final de semana de protestos no país.

Além de Londres, há outras cidades com manifestações como Belfast, na Irlanda do Norte, e Brighton, sul da Inglaterra, embora até agora não haja incidentes de vandalismo como na semana passada.

A secretária do Interior, Priti Patel, criticou hoje o "vandalismo inaceitável" dos manifestantes durante os confrontos em Londres.

"Qualquer pessoa que cometa violência ou vandalismo deve esperar toda a força da lei. A violência contra nossos policiais não será tolerada. O coronavírus continua sendo uma ameaça para todos. Vá para casa para impedir a propagação do vírus e salvar vidas", disse Patel, em sua conta no Twitter.

As autoridades pediram aos manifestantes que não se juntassem aos protestos, correndo o risco de espalhar a covid-19, pois é muito difícil manter distância social.

Como medida de precaução e para evitar incidentes entre os grupos, a polícia impôs ao grupo antirracista "Black Lives Matter" ("Vidas Negras Importam") uma área específica para manifestação, entre Trafalgar Square e Hyde Park, no centro da capital britânica.

Estátuas

A polícia impôs restrições em Londres para evitar incidentes e impedir que os manifestantes pintassem estátuas.

Entre as medidas, os grupos terão que abandonar hoje, até às 17h (horário local, 13h de Brasília), o local onde estão manifestando, especialmente na área de Whitehall, na zona do governo e perto do Parlamento.

Na semana passada, a estátua do ex-primeiro-ministro Winston Churchill apareceu com pichações, forçando o governo a protegê-la e cobri-la completamente para evitar danos.

Alguns membros do grupo de extrema-direita Britain First foram hoje à Praça do Parlamento para, seu líder, Paul Golding, cuidar dos monumentos.

Da EFE